Meu Perfil
BRASIL, Centro-Oeste, GOIANIA, SETOR CENTRAL, Mulher, de 20 a 25 anos, Portuguese, Italian, Arte e cultura, Música
MSN -



Histórico


Votação
 Dê uma nota para meu blog


Outros sites
 UOL - O melhor conteúdo
 BOL - E-mail grátis


 
mundo de amor


Erasmo Carlos

                                                                   Sentado à Beira do Caminho

 

Eu não posso mais ficar aqui
A esperar!
Que um dia de repente
Você volte para mim...
Vejo caminhões
E carros apressados
A passar por mim
Estou sentado à beira
De um caminho

Que não tem mais fim..
Meu olhar se perde na poeira
Dessa estrada triste
Onde a tristeza
E a saudade de você
Ainda existe...
Esse sol que queima
No meu rosto
Um resto de esperança
De ao menos ver de perto
O seu olhar
Que eu trago na lembrança...
Preciso acabar logo com isso
Preciso lembrar que eu existo
Que eu existo, que eu existo...
Vem a chuva, molha o meu rosto
E então eu choro tanto
Minhas lágrimas
E os pingos dessa chuva
Se confundem com o meu pranto.
Olho prá mim mesmo e procuro
E não encontro nada
Sou um pobre resto de esperança
À beira de uma estrada...
Preciso acabar logo com isso
Preciso lembrar que eu existo
Que eu existo, que eu existo...
Carros, caminhões, poeira
Estrada, tudo, tudo, tudo
Se confunde em minha mente
Minha sombra me acompanha
E vê que eu

Estou morrendo lentamente..
Só você não vê que eu
Não posso mais
Ficar aqui sozinho
Esperando a vida inteira
Por você 
Sentado à beira do caminho...
Preciso acabar logo com isso
Preciso lembrar que eu existo
Que eu existo, que eu existo..

 



Escrito por mundodeamor às 01h45
[] [envie esta mensagem] []



TRISTÃO DE ANDRADE

Quando chega a hora de olhar e ver,
realmente ver,
quando chega o momento
de querer sentir,
sentir e ter...
a verdade que nos rodeia.
quando deixamos de queimar o tempo
como se mais um cigarro se tratasse!
quando deixamos de vender as nossas rugas
por percebermos que a mais valiosa das riquezas é o tempo
quando chegamos a esse cruzamento, a essa encruzilhada,
quando aí paramos para reflectir...
qual caminho a seguir...
quando olhamos por cima do ombro e vemos o passado,
e olhamos adiante e não vemos nada.
não há futuro.
o futuro... é o passo no escuro
que o corpo dá
e a mente ousa.
nesse preciso e precioso momento,
tão idêntico ao último, o da morte,
o que devemos deveras fazer?
seguir caminhando?
lutar, lutando contra o medo
contra a dor,
jurar, jurando fidelidade ao criador?
nesse momento em que as dúvidas
são as certezas que nos invadem,
nesse momento em que questões
são as respostas que nos cabem...
onde o nervo
transfigura a nitidez.
onde o sóbrio...
dá lugar à estupidez...
e nós ardemos no lume infernal!
velho arqueiro
criado do diabo
que viestes para me cuspir,
nas profundezas do inferno.
grita os gemidos de dor
que teu senhor
te ensinou para me ensinares!
rejeito, por favor,
e por mais que tentares...
não me levarás a ver...
o lado de lá... desses mares...
e quando o momento é estar nesse cruzamento
onde da alegria ao lamento...
vai a escolha.
nobre doce, anjo dos céus...
que levaste os velhos que eram meus
e agora me procuras para um sinal!
diz-me afinal:
Por onde devo seguir?
e Tu anjo, aconselhas-me unicamente
a fugir!
a fugir, fugindo de mim.
e o momento regressa na dúvida de quem sou!
e no momento certo!
recuso o que escuto,
e como se envolvido em poder absoluto
grito:
Se o tempo nao tenho de volta,
então que minha alma viva livre,
LIVRE E SOLTA



Escrito por mundodeamor às 01h34
[] [envie esta mensagem] []



Vinícius de Moraes

Soneto da Separação

De repente do riso fez-se o pranto

Silencioso e branco como a bruma

E das bocas unidas fez-se a espuma

E das mãos espalmadas fez-se o espanto
De repente da calma fez-se o vento

Que dos olhos desfez a última chama

E da paixão fez-se o pressentimento

E do momento imóvel fez-se o drama.
De repente, não mais que de repente

Fez-se de triste o que se fez amante

E de sozinho o que se fez contente.
Fez-se do amigo próximo o distante

Fez-se da vida uma aventura errante

De repente, não mais que de repente.



Escrito por mundodeamor às 01h26
[] [envie esta mensagem] []



WANDELINO ARRUDA

FELICIDADE
Felicidade não tem peso,
nem tem medida,
não pode ser comprada,
não se empresta, não se toma emprestada,
não resiste a cálculos, por não ser material,
nos padrões materiais do nosso mundo.
Só pode (ser) se for legítima.
Felicidade falsa não é felicidade, é ilusão.
Mas, se eu soubesse fazer contas na medida do bem,
diria que a felicidade pode ter tamanho,
pode ser grande, pequena,
cabendo nas conchas da mão,
ou ser do tamanhão do mundo.
Felicidade é sabedoria, esperança,
vontade de ir, vontade de ficar,
presente, passado, futuro.
Felicidade é confiança:
fé e crença,
trabalho e ação.
Não se pode ter pressa de ser feliz,
porque a felicidade vem devagarinho,
como quem não quer nada.
Ser feliz não depende de dinheiro,
não depende de saúde,
nem de poder.
Felicidade não é fruto da ostentação,
nem do luxo.
Felicidade é desprendimento,
não é ambição.
Só é feliz quem sabe suportar, perder,
sofrer e perdoar.
Só é feliz quem sabe, sobretudo, AMAR.



Escrito por mundodeamor às 01h21
[] [envie esta mensagem] []



William Shakespeare

Perguntei a um sábio,
a diferença que havia
entre amor e amizade,
ele me disse essa verdade...
O Amor é mais sensível,
a Amizade mais segura.
O Amor nos dá asas,
a Amizade o chão.
No Amor há mais carinho,
na Amizade compreensão.
O Amor é plantado
e com carinho cultivado,
a Amizade vem faceira,
e com troca de alegria e tristeza,
torna-se uma grande e querida
companheira. 
Mas quando o Amor é sincero
ele vem com um grande amigo,
e quando a Amizade é concreta,
ela é cheia de amor e carinho.
Quando se tem um amigo
ou uma grande paixão,
ambos sentimentos coexistem
dentro do seu coração.



Escrito por mundodeamor às 01h13
[] [envie esta mensagem] []



Tudo Me Faz Lembrar Você.

Dizem que o tempo cura tudo... Que tudo passa... Que o tempo é sempre o melhor remédio...

Mas quanto tempo é necessário para curar uma dor? Uma perda Irreparável?
Quantos anos são necessários para apagar a falta da presença?
Acho que o Tempo não Cura Nada... Ele só troca os cenários no palco da nossa Vida, Na verdade está tudo lá na coxia, jogado... Meio empoeirado, mas está lá...
Não se esquece aquilo que se aprendeu muito menos o que ensinou... 
O tempo não cura um amor mal resolvido, não apaga as marcas que ficam na alma, muito menos as do coração...  fica sempre aquele “lume brando” bem lá no fundo.. Ficam sempre as recordações dos tempos em que se transbordava de felicidade, ficam as memórias e as sensações daquilo que se viveu…
O tempo pode até fazer com que nos lembremos menos vezes, pode fazer com que o coração já não bata com tanta intensidade, mas depois sentimos um cheiro, vimos uma imagem, vimos um rosto familiar…e tudo volta num reboliço, os sintomas estão cá novamente e os sinais exteriores não mentem…
Cheiros, Vozes, Músicas, Toques essas coisas ficam registradas com tanta força, que 100 anos não são o suficiente para apagar.
O Melhor é Fingir que se esqueceu... Deixa as tralhas lá na coxia mesmo... Deixa a poeira cobrir Tudo... Deixa a vida rolar... O ser humano tem uma capacidade incrível de amar várias vezes na vida... e se as lembranças forem muitas, e as lágrimas se tornarem d
ifíceis de controlar... 
Chore o quanto achar necessário...
Se perguntarem o que está acontecendo invente uma desculpa...
Pessoas adoram histórias inventadas...



Escrito por mundodeamor às 01h04
[] [envie esta mensagem] []



Caio Fernando de Abreu

Re-amar.

Olha, eu sei que o barco tá furado e sei que você também sabe, mas queria te dizer pra não parar de remar, porque te ver remando me dá vontade de não querer parar também.
Tá me entendendo? Eu sei que sim. Eu entro nesse barco, é só me pedir.
Nem precisa de jeito certo, só dizer e eu vou.
Faz tempo que quero ingressar nessa viagem, mas pra isso preciso saber se você vai também.
Porque sozinha, não vou.
Não tem como remar sozinha, eu ficaria girando em torno de mim mesma.
Mas olha, eu só entro nesse barco se você prometer remar também! Eu abandono tudo, história, passado, cicatrizes. Mudo o visual, deixo o cabelo crescer, começo a comer direito, vou todo dia pra academia.
Mas você tem que prometer que vai remar também, com vontade!
Eu começo a ler sobre política, futebol, ficção científica. Aprendo a pescar, se precisar.
Mas você tem que remar também.
Eu desisto fácil, você sabe. E talvez essa viagem não dure mais do que alguns minutos, mas eu entro nesse barco, é só me pedir.
Perco o medo de dirigir só pra atravessar o mundo pra te ver todo dia.
Mas você tem que me prometer que vai remar junto comigo. Mesmo se esse barco estiver furado eu vou, basta me pedir. Mas a gente tem que afundar junto e descobrir que é possível nadar junto.
Eu te ensino a nadar, juro!
Mas você tem que me prometer que vai tentar, que vai se esforçar, que vai remar enquanto for preciso, enquanto tiver forças! Você tem que me prometer que essa viagem não vai ser a toa, que vale a pena.
Que por você vale a pena. Que por nós vale a pena.
Remar.Re-amar.Amar.



Escrito por mundodeamor às 00h57
[] [envie esta mensagem] []



NOS PERDEMOS... NÓS PERDEMOS

Nos perdemos...
Eu te olho e não te vejo.
Te busco, mas não te reconheço.
De repente, tudo se perdeu e eu me perdi quando não te encontrei.
Eu não sei o que te dizer. Eu sequer sei aonde estamos. Como se enfim chegássemos ao fim... separados. Como se tudo tivesse sido inútil. Como se, milênios a milênio, eu tivesse, tolamente, lutado contra a inexorabilidade do destino que decretou que seguiríamos alijados eternamente. Oh, sim, eu forcei o destino até o fim. Mas não foi este o final que previ.
Você sabe bem dos meus sonhos. Foi a tecedura deles que te arrastou por esses milênios também, preso a mim como eu presa a você, estive desde que sonhamos juntos, como se ao sonhar sob as estrelas, tivéssemos pego empretado sua força e determinação. Mas nos meus sonhos não havia isso, não era para ser assim...o momento extremo onde nós dois sozinhos nos tornamos incapazes de dar a mão um ao outro.
De repente, todos os sonetos nos quais eu te chamava te crendo perto quando estavas distante, fazem todo o sentido agora. Eu te cri perto, quando estavas distante. Eu não te conheci quando pensei que te reconhecia.
Onde a lógica cartesiana e impoluta Onde a essência clara do amor veridiano Onde a força que nos unia ainda quando separados por planos: Onde o amor que sentíamos e se revertia em extremos de superação e ternura:
De repente, é como se vocês se fundissem e se tocassem. Atitudes análogas, não importanto o que eu diga e faça. Impotência. Déja vù. Solidão líquida nos braços mais ternos do mundo. Desprezo nas atitudes, enquanto as palavras invejam o próprio mel. O medo então me mantém paralisada. Nele eu busco defesas, mas só encontro pesadelo, enquanto lembro da ternura do teu cabelo acariciando minha pele.
Teu amor me leva e me deixa no meio do caminho, quando de tudo que eu precisava era de uma mão, da tua mão enfim nas minhas, como quando sonhávamos sob as estrelas um sonho tão ingênuo, tão intenso, tão profundo, que pareceu ganhar-lhes o favor, adquirindo tecedura celeste e luminescência que iluminasse para além do fim de nossa própria resistência.
Agora, pela primeira vez, estou além das palavras. Das mais lindas ou das mais delicadas, das mais sinceras e intensas, acompanhadas das mais insofismáveis vibrações. Apenas um gesto me trará. Gesto cujo nome não sei, mas cuja esperança é o que me sustenta.
Muitas vezes eu penso em terminar tudo. Há um modo. Loucura, mas que importa Por que tanta sanidade, se, ao final, estou sempre sozinha: O não existir, a não-consciência, estar livre da perseguição da vida e do medo que minha existencia me traz. Dormir e nunca mais acordar....
Sinto-me lentamente escorregando para um lugar dentro de mim. Esse lugar é escuro, bagunçado, assustado e triste... Mas ao menos eu sei aonde estão as coisas. Ao menos nenhuma coisa que eu não deseje não entra.
Penso, realmente, amor, em entrar sozinha nesse quarto e lá, tanto quanto possa, arrumar as coisas todas sozinha. Porque, apesar de tudo que diz a sagrada teoria, pedir ajuda sempre me trouxe dor, jamais conforto e acolhimento efetivo. 
Neste quarto interno e imersa em minhas lembranças e esperanças.... dormiria pra sempre.... sonharia com você todos os dias



Escrito por mundodeamor às 00h43
[] [envie esta mensagem] []



Pablo Neruda

Saudade

Saudade é solidão acompanhada,

é quando o amor ainda não foi embora,

mas o amado já...

Saudade é amar um passado que ainda não passou,

é recusar um presente que nos machuca,

é não ver o futuro que nos convida...

Saudade é sentir que existe o que não existe mais...

Saudade é o inferno dos que perderam,

é a dor dos que ficaram para trás,

é o gosto de morte na boca dos que continuam...

Só uma pessoa no mundo deseja sentir saudade:

aquela que nunca amou.

E esse é o maior dos sofrimentos:

não ter por quem sentir saudades,

passar pela vida e não viver.

O maior dos sofrimentos é nunca ter sofrido.



Escrito por mundodeamor às 00h24
[] [envie esta mensagem] []



Clarice Lispector

 

Já escondi um AMOR com medo de perdê-lo,

já perdi um AMOR por escondê-lo. 

Já segurei nas mãos de alguém por medo,

já tive tanto medo, ao ponto de nem sentir minhas mãos. 

Já expulsei pessoas que amava de minha vida, já me arrependi por isso. 

Já passei noites chorando até pegar no sono,

já fui dormir tão feliz, ao ponto de nem conseguir fechar os olhos.

Já acreditei em amores perfeitos, já descobri que eles não existem.

Já amei pessoas que me decepcionaram,

já decepcionei pessoas que me amaram.

Já passei horas na frente do espelho tentando descobrir quem sou,

já tive tanta certeza de mim, ao ponto de querer sumir.

Já menti e me arrependi depois,

já falei a verdade e também me arrependi.

Já fingi não dar importância às pessoas que amava, para mais tarde chorar quieta em meu canto.

Já sorri chorando lágrimas de tristeza, 

já chorei de tanto rir.

Já acreditei em pessoas que não valiam a pena,

já deixei de acreditar nas que realmente valiam.

Já tive crises de riso quando não podia.

Já quebrei pratos, copos e vasos, de raiva.

Já senti muita falta de alguém, mas nunca lhe disse.

Já gritei quando deveria calar, 

já calei quando deveria gritar.

Muitas vezes deixei de falar o que penso para agradar uns,

outras vezes falei o que não pensava para magoar outros.

Já fingi ser o que não sou para agradar uns, 

já fingi ser o que não sou para desagradar outros.

Já contei piadas e mais piadas sem graça, apenas para ver um amigo feliz.

Já inventei histórias com final feliz para dar esperança a quem precisava.

Já sonhei demais, ao ponto de confundir com a realidade... 

Já tive medo do escuro, hoje no escuro "me acho, me agacho, fico ali".

Já cai inúmeras vezes achando que não iria me reerguer, 

já me reergui inúmeras vezes achando que não cairia mais.

Já liguei para quem não queria apenas para não ligar para quem realmente queria.

Já corri atrás de um carro, por ele levar embora, quem eu amava.

Já chamei pela mamãe no meio da noite fugindo de um pesadelo. 

Mas ela não apareceu e foi um pesadelo maior ainda.

Já chamei pessoas próximas de "amigo" e descobri que não eram...

Algumas pessoas nunca precisei chamar de nada e sempre foram e serão especiais para mim.

Não me dêem fórmulas certas, porque eu não espero acertar sempre.

Não me mostre o que esperam de mim, 

porque vou seguir meu coração!

Não me façam ser o que não sou, não me convidem a ser igual, 

porque sinceramente sou diferente!

Não sei amar pela metade, 

não sei viver de mentiras,

não sei voar com os pés no chão.

Sou sempre eu mesma, mas com certeza não serei a mesma pra SEMPRE!

Gosto dos venenos mais lentos, 

das bebidas mais amargas, 

das drogas mais poderosas, 

das idéias mais insanas, 

dos pensamentos mais complexos,

dos sentimentos mais fortes.

Tenho um apetite voraz e os delírios mais loucos. 

Você pode até me empurrar de um penhasco q eu vou dizer: 

- E daí? EU ADORO VOAR!

 


 

 



Escrito por mundodeamor às 19h56
[] [envie esta mensagem] []



Albert Einstein

 

Pode ser que um dia deixemos de nos falar... 

Mas, enquanto houver amizade, 

Faremos as pazes de novo. 

Pode ser que um dia o tempo passe... 

Mas, se a amizade permanecer, 

Um de outro se há-de lembrar. 

 

Pode ser que um dia nos afastemos... 

Mas, se formos amigos de verdade, 

A amizade nos reaproximará. 

Pode ser que um dia não mais existamos... 

Mas, se ainda sobrar amizade, 

Nasceremos de novo, um para o outro. 

Pode ser que um dia tudo acabe... 

Mas, com a amizade construiremos tudo novamente, 

Cada vez de forma diferente. 

Sendo único e inesquecível cada momento 

Que juntos viveremos e nos lembraremos para sempre. 

Há duas formas para viver a sua vida: 

Uma é acreditar que não existe milagre. 

A outra é acreditar que todas as coisas são um milagre.

 


 



Escrito por mundodeamor às 19h52
[] [envie esta mensagem] []



Clarice Lispector

Saudade é um pouco como fome. Só passa quando se come a presença. Mas às vezes a saudade é tão profunda que a presença é pouco: quer-se absorver a outra pessoa toda. Essa vontade de um ser o outro para uma unificação inteira é um dos sentimentos mais urgentes que se tem na vida.



Escrito por mundodeamor às 19h26
[] [envie esta mensagem] []




[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]